2021-03-14

A história de Ihar Losik

13 março 2021 | Vera Sauchanka, LiveFEED
Ihar Losik.
Source: b-g.by

O jornalista e blogueiro, Ihar Losik, 28, não deveria estar na prisão. Ele deveria continuar cobrindo notícias, passando tempo com sua esposa e filha e fazendo sua parte na construção de um futuro melhor e mais brilhante. No entanto, tudo isso só poderia ser em um universo alternativo, não em Belarus. 

A liberdade de imprensa e de reuniões pacíficas é algo que nós, nos EUA, muitas vezes consideramos natural. Os belarussos, por outro lado, nunca tiveram essas liberdades. Desde 1994, o país é governado pelo presidente em exercício Aliaksandr Lukashenka, também conhecido como “o último ditador da Europa”. Nenhuma das eleições belarussas foi reconhecida como livre e justa, e a eleição presidencial de 2020 também não foi uma exceção.

Quando centenas de milhares de pessoas saíram às ruas para protestar pacificamente em todo o país, foram recebidas com granadas de choque e balas de borracha. Durante a agitação em curso, pelo menos oito manifestantes foram mortos, dezenas desapareceram. Existem pelo menos 500 casos documentados de tortura pela polícia e forças especiais. Uma máquina de repressão totalmente desenvolvida foi colocada em movimento. Blogueiros e jornalistas se tornaram seus primeiros alvos. Conversamos com Darya Losik sobre seu marido e sua vida antes e depois.

“25 de junho foi apenas um dia normal. Por volta das 11 da manhã, fomos passear no parque com nossa filha,” contou Darya.

Como fundador do maior canal político de Telegram do país na época, @belamova, as autoridades tinham um interesse particular em Losik. Mas ele ainda não sabia que a caminhada naquela manhã de verão seria a última que ele compartilharia com sua família em 2020.

Quando voltaram, a polícia já estava esperando em seu apartamento. Eles mostraram o mandado de busca assinado pelo Procurador-Geral Adjunto. Pouco depois, eles levaram Ihar, e Darya não o viu mais desde então. 

“Todas as nossas vias legais foram esgotadas. Todas as nossas petições, queixas e queixas sobre queixas foram negadas. Francamente, nós os processamos apenas porque precisávamos tentar, embora todos soubessem que não iriam deixar Ihar ir. Infelizmente, não está funcionando assim em Belarus.” 

No início, Ihar foi enquadrado no artigo 342 do Código Penal (Organização e preparação de ações que violam gravemente a ordem pública).

“Por lei, o prazo da investigação preliminar sobre essas acusações não pode ser superior a seis meses, e eles deveriam libertá-lo até 25 de dezembro de 2020. Em vez disso, eles não encontraram nada “mais inteligente” do que apresentar novas acusações (Art. 293: Participação em motins), com pena de até oito anos,” observou Darya.

Ihar Losik com sua filha.
Source: foto cortesia de Darya Losik, LiveFEED

Como protesto contra a injustiça, em 15 de dezembro, Losik iniciou uma greve de fome, exigindo sua libertação ou pelo menos uma mudança no prazo de sua prisão preventiva para que ele pudesse ver sua esposa e filha. Ele ficou sem comer por mais de 40 dias.

Durante nossa entrevista, Darya mostrou uma caixa de cartas de Ihar e um retrato que seu colega de cela desenhou. Darya diz que agora é a única maneira de ela saber a aparência do marido, uma vez que foi negado o direito de se verem.

Em 11 de março, Ihar Losik foi enquadrado em um novo artigo. No momento, ainda não está claro qual. Depois de ouvir sobre as novas acusações, ele tentou cortar os pulsos na frente do investigador e seu advogado. Ihar fez uma greve de fome para protestar contra as novas acusações.

Desde 14 de março, Ihar é um dos 285 presos políticos que permanecem atrás das grades em Belarus. Além disso, existem mais de 900 processos criminais contra aqueles que participaram dos protestos. Mais de 35.000 pessoas foram detidas e encarceradas em Belarus desde a disputada eleição presidencial de 9 de agosto de 2020. Este é o número mais alto na Europa nos últimos 40 anos e continua crescendo à medida que os protestos continuam.

Darya Losik com Sviatlana Tsikhanouskaya.
Source: foto de cortesia, LiveFEED

Internacionalmente reconhecida como “a líder eleita”, a Sra. Sviatlana Tsikhanouskaya designou o dia 7 de fevereiro como o Dia global de Solidariedade com Belarus. Este dia também marcou seis meses de protestos pacíficos em massa após a eleição presidencial amplamente disputada que levou à reeleição de Lukashenko para um sexto mandato, apesar das evidências de ampla fraude eleitoral.

Para comemorar este dia, centenas de comícios aconteceram em Belarus e em todo o mundo. 

“Somos solidários com o povo belarusso e continuamos a nos inspirar, pois, semana após semana, muitos vão às ruas para exigir o direito de traçar seu próprio futuro. Já passou da hora de o regime ilegítimo de Lukashenka renunciar, permitir a realização de novas eleições livres e justas e libertar todos os presos políticos. Estamos totalmente empenhados em trabalhar com nossos aliados transatlânticos para apoiar as aspirações do povo de Belarus em sua busca pela democracia, direitos humanos, Estado de direito e respeito contínuo pela soberania de seu país,” disseram o Líder Republicano do Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos EUA, Michael McCaul, e o presidente Gregory W. Meeks em uma declaração conjunta.

“A primavera virá depois do inverno, a noite dá lugar ao amanhecer. Ninguém foi capaz de impedir a história por meio de alguns decretos, prisões ou execuções,” escreveu Losik, em sua carta de 25 de janeiro, da prisão. 

Veja mais em nossa entrevista em vídeo com Darya Losik.

Source: LiveFEED